Journal article Open Access

VIGOREXIA, UM MAL QUE AFLIGE OS FISICULTURISTAS PORTUGUESES: FACTO OU MITO?

Marcelo Victor Rodrigues do Nascimento¹; Ricardo Lim2; Filipe M. Clemente Terceiro autor3; Bruno Silva4; João Miguel Camões5; Marcelo Victor Rodrigues do Nascimento; Ricardo Lima

Este trabalho teve por objetivo conhecer a percepção que os fisiculturistas portugueses possuem do próprio corpo, relacionando-a com os sinais e sintomas próprios da vigorexia, a fim de constatar a existência de tal patologia ou não no universo estudado, bem como o grau de severidade, sem houver. Foram aplicados os seguintes instrumentos de coleta de dados: um conjunto de silhuetas destinado a verificar o grau de satisfação com a imagem corporal e um questionário destinado a identificar a presença e a severidade dos indícios de vigorexia. Os resultados obtidos foram os seguintes: (1) 1 atleta não apresentou indícios de vigorexia; (2) 16 atletas apresentaram alguns indícios de vigorexia; (3) 29 atletas apresentaram todos os indícios de vigorexia; (4) 5 atletas estão satisfeitos com a imagem corporal; (5) 20 atletas desejam aumentar um pouco a imagem corporal; e (6) 21 atletas desejam aumentar muito a imagem corporal, mostrando um alto grau de insatisfação com sua imagem actual. Concluiu-se, neste estudo, que, segundo os parâmetros utilizados nesta investigação, a vigorexia é um mal que aflige, de facto, uma parcela significativa dos fisiculturistas portugueses.

Files (488.1 kB)
Name Size
Art00065.pdf
md5:45bfd2a5af66d53fa744ffcb15462375
488.1 kB Download
  • Applegate, L. (1996). A mania das dietas e utilização de suplementos na prática esportiva. Gatorade Sports Science Institute, 4, 1–4. file:///C:/Users/Marcelo/Downloads/1996 A Mania das Dietas e Utilização de Suplementos na Pratica Esportiva.pdf.

  • Arraes, C. T., & Mélo, R. S. (2020). Negociando limites , manejando excessos: vivências cotidianas de um grupo de fisiculturistas. Movimento, 26, 16. https://www.scielo.br/j/mov/a/YW86VSwksjLs5W67tZjk55d/?lang=pt&format=pdf

  • Associação Americana de Psiquiatria. (2014). Manual diagnóstico e estatística de transtornos mentais (5th ed.). Artmed. http://dislex.co.pt/images/pdfs/DSM_V.pdf

  • Assunção, S. S. M. (2002). Dismorfia muscular. Revista Brasileira de Psiquiatria, 24(3), 80–84. https://www.scielo.br/pdf/rbp/v24s3/13979.pdf

  • zevedo, A. P., Ferreira, A. C., Silva, P. P., Caminha, I. O., & Freitas, C. M. (2012). Dismorfia muscular: a busca pelo corpo hiper musculoso. Motricidade, 8(1), 53–66. https://doi.org/10.6063/motricidade.8(1).240

  • Baum, I. B. (2015). Estudo sobre a correlação entre vigorexia e overtraining em praticantes de musculação [Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/133070/000983960.pdf?sequence=1

  • Berman, M. (1986). Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. Schwarcz. https://doi.org/10.5533/1413-9073-20092707

  • Bonfim, G. W., Nascimento, I. P. C., & Borges, N. B. (2016). Transtorno dismórfico corporal: revisão da literatura. Contextos Clínicos, 9(2), 240–252. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cclin/v9n2/v9n2a10.pdf

  • Borges, J. M. (2016). Teoria e metodologia do treino desportivo - modalidades individuais. IPDJ. http://www.idesporto.pt/ficheiros/file/Manuais/GrauII/GrauII_03a_MetodologiaIndividuais.pdf

  • Carbone, P. O. (2019). Evidências de validade da escala "shape" de imagem corporal em fisiculturistas [Universidade São Judas Tadeus]. http://www.usjt.br/biblioteca/mono_disser/mono_diss/2019/507.pdf

  • Cruz, J. R. da, Alberto Filho, P. C., & Hakamada, E. M. (2013). Benefícios da endorfina através da atividade física no combate a depressão e ansiedade. Revista Digital EFDeportes.Com, 18(179), 1–10.

  • Estevão, A. (2005). Prática do fisiculturismo: significados. Revista Motrivivência, 17(24), 41–57. file:///C:/Users/Marcelo/Downloads/727-Texto do Artigo-14505-1-10-20080620.pdf

  • Falcão, R. S. (2008). Interfaces entre a dismorfia muscular e psicologia esportiva. Revista Brasileira de Psicologia Do Esporte, 2(1). http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbpe/v2n1/v1n2a05.pdf

  • Fleck, S. J., & Kraemer, W. J. (2013). Fisiologia do Exercício: teoria e prática (1st ed.). Guanabara Koogan. https://www.passeidireto.com/arquivo/82749482/fisiologia-do-exercicio-teoria-e-pratica-fleck-kramer-de-schenes-2013

  • Gentil, P. (2014). Bases científicas do treinamento de hipertrofia (5th ed.). Createspace. file:///C:/Users/Marcelo/Downloads/Bases Científicas do Treinamento de Hipertrofia 5 edição.pdf

  • Guimarães Neto, W. M. (1999). Musculação: anabolismo total (1st ed.). Phorte. https://www.passeidireto.com/arquivo/1603510/anabolismo-total-waldemar-marques-guimaraes-neto

  • Hale, B. D., Diehl, D., Weaver, K., & Briggs, M. (2013). Exercise dependence and muscle dysmorphia in novice and experienced female bodybuilders. 2(4), 244–248. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4154574/

  • Hodecker, M., Adames, B., Martinhago, T. A. P. de A., Frainer, S., & Teixeira, K. C. (2019). A vigorexia no contexto esportivo: uma revisão de literatura. Revista Digital EFDeportes.Com, 24(258), 15. https://www.efdeportes.com/efdeportes/index.php/EFDeportes/article/download/1294/982?inline=1

  • Homrich, L. M. (2013). Psicologia do Esporte. Fundação Vale. https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000224991

  • Koehler, S. M. F. (2020). Transtorno dismórfico corporal: implicações com a vivência da sexualidade saudável. Revista Científica Da UBM, 22(2), 78–101. http://revista.ubm.br/index.php/revistacientifica/article/view/890/135

  • Lira, A. G., Ganen, A. de P., Lodi, A. S., & Alvarenga, M. D. S. (2017). Uso de redes sociais, influência da mídia e insatisfação com a imagem corporal de adolescentes brasileiras. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 66(3), 164–171. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000166

  • Liz, C. M., Saciloto, P. W., Dominski, F. H., & Vilarino, G. T. (2018). Fatores associados à dismorfia muscular em praticantes de treinamento de força em academias: revisão sistemática. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 26(1), 200–212. https://doi.org/10.18511/rbcm.v26i1.7242

  • Macedo, M. G. de, & Ferreira, J. C. de S. (2021). Os riscos para a saúde associados ao consumo de suplemento alimentar sem orientação nutricional. Research, Society and Development, 10(3), 1–9. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13593

  • Martinó, T. M. (2017). Luta contra a dopagem no desporto: o impacto dos programas educativos antidopagem das federações desportivas [Universidade de Évora]. http://rdpc.uevora.pt/bitstream/10174/22897/1/Mestrado - Direção e Gestão Desportiva - Túlia Marques Martinó - Luta contra a dopagem no desporto .pdf

  • Masaro, R. E. (2019). Metodologia da pesquisa científica (1st ed.). Educacional. https://www.passeidireto.com/arquivo/79828569/leitura-fundamental-metodologia-da-pesquisa-cientifica

  • Medeiros, C. A. de. (2007). Estatística aplicada à educação. In Estatística Aplicada à Educação. Universidade de Brasília. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/profunc/estatistica.pdf

  • Miranda, M. L. J., & Godeli, M. R. C. S. (2003). Música , atividade física e bem-estar psicológico em idosos. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, 11(4), 87–94. file:///C:/Users/Marcelo/Downloads/532-1731-1-PB.pdf

  • Morosini, C., & Koenhlein, E. A. (2019). Sinais de vigorexia e uso de suplementos alimentares por praticantes de musculação de São Miguel do Oeste/SC. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 33(3), 443–452. https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v33i3p443-452

  • Mota, C. G., & Aguiar, E. F. (2011). Dismorfia muscular: uma nova síndrome em praticantes de musculação. Revista Brasileira de Ciência Da Saúde, 9(27), 49–56. file:///C:/Users/Marcelo/Downloads/1340-Texto do Artigo-4508-1-10-20110909.pdf

  • Moura, N. A., & Moura, T. F. P. (2001). Princípios do treinamento para saltadores: implicações para o desenvolvimento da força muscular. I Congresso Sul-Americano de Treinadores de Atletismo, 16(04), 51–61. https://www.researchgate.net/publication

  • Murer, E., Braz, T. V, & Lopes, C. R. (2019). Treinamento de força: saúde e performance humana. CREF4/SP. https://www.crefsp.gov.br/storage/app/arquivos/4d57a525a306535a4162d2c7bafd1b95.pdf

  • Néri, R. R., Mendes, N. S. de O. S., Silva, A. L. M., & Pereira, T. T. (2021). Avaliação do consumo de proteínas e lipídios por homens jovens praticantes de musculação com tendência à dismorfia muscular. Research, Society and Development, 10(5). https://doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14501

  • Oliveira, A. J. de, & Araújo, C. G. S. de. (2004). Proposição de um critério antropométrico para suspeita diagnóstica de dismorfia muscular. Revista Brasileira de Medicina Do Esporte, 10(3), 187–190. https://www.scielo.br/pdf/rbme/v10n3/21147.pdf

  • Palmeira, A. L., & Matos, M. G. (2006). Correlatos da dependência do exercício : a motivação intrínseca e as crenças no exercício. In V Congresso Luso-Espanhol de Psicologia do Desporto.

  • Pinho, S. T., Alves, D. M., Schild, J. F. G., & Afonso, M. R. (2006). A hidroginástica na terceira idade. Revista Digital EFDeportes.Com, 11(102), 4. https://www.efdeportes.com/efd102/hidrog.htm

  • Pinto, M. V. M., Raújo, A. S., Silva, A. L. S., Santos, H. R., Baraúna, M. A., Giagini, A. P., & Silva, C. M. (2007). Análise dos hábitos alimentares e uso de recursos ergogênicos utilizados pelos praticantes de musculação com objetivo de hipertrofia muscular. Revista Digital EFDeportes.Com, 12(115), 1–5. https://www.efdeportes.com/efd115/habitos-alimentares-e-uso-de-recursos-ergogenicos.htm

  • Pope Jr, H. G., Phillips, K. A., & Olivaria, R. (2000). O complexo de Adônis: a obsessão masculina pelo corpo. Campus. https://books.google.pt/books/about

  • Quiñónez, M. B. R. (2020). Automedicación con AINE en futbolistas profesionales de los equipos de primera división del DMQ. Revista Vive, 3(9), 213–226. https://doi.org/10.33996/revistavive.v3i9.61

  • Reis, C. D., & Gomes, H. E. (2020). Distúrbios alimentares em atletas fisiculturistas - uma revisão de literatura [Centro Universitário de Brasília]. https://repositorio.uniceub.br/jspui/bitstream/prefix/14411/1/Carolina Duarte e Helio Escaleira.pdf

  • Resende, C. S. (2006). O corpo perfeito e seu processo de construção psico-sócio-cultural [Centro Universitário de Brasília]. https://core.ac.uk/reader/185254420

  • Roberto, T. G., & Macedo, F. L. (2021). A importância e os benefícios da psicologia do esporte: revisão da literatura. Revista Interciência, 1(5), 2–9. https://www.fafica.br/revista/index.php/interciencia/article/view/269/43

  • Rocha, C. S., Bezerra, A. I. L., & Silva, A. B. (2012). Condicionamento físico para adultos. Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/39/39133/tde-14022013-085048/publico/Material_didatico_do_programa_de_intervencao_Anexo_4_original.pdf

  • Rodrigues, J. B., Araújo, F. A., & Alencar, E. F. (2008). Modelo experimental de questionário para identificação de possíveis indivíduos que apresentam indícios de vigorexia. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 2(12), 390–395. file:///C:/Users/Marcelo/Downloads/Dialnet-ModeloExperimentalDeQuestionarioParaIdentificacaoD-4841621 (1).pdf

  • Sabino, César. (2004). O peso e a forma: cotidiano e uso de drogas entre fisiculturistas [Universidade Federal do Rio de Janeiro]. file:///C:/Users/Marcelo/Downloads/silo.tips_o-peso-da-forma-cotidiano-e-uso-de-drogas-entre-fisiculturistas-cesar-sabino.pdf

  • Sabino, Cesar, & Luz, M. T. (2014). Forma da dor e dor da forma: significado e função da dor física entre praticantes de bodybuilding em academias de musculação do Rio de Janeiro. Physis Revista de Saúde Coletiva, 24(2), 467–490. https://doi.org/10.1590/S0103-73312014000200008

  • Santos, C. A., Bezerra, G. K. A., Barbosa, M. S. S., Cunha, F. T., Barbosa, S. M. S., & Oliveira, D. C. (2021). Vigorexia , um distúrbio alimentar na modernidade. Research, Society and Development, 10(5), 1–11. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i5.14817

  • Santos, G. de O., Bagestão, V. S., & Silva, S. L. da. (2021). Efeitos dos exercícios físicos em crianças e adolescentes. Brazilian Journal of Development, 7(1), 8903–8915. https://doi.org/10.34117/bjdv7n1-603

  • Santos, M. E. M., Damasceno Filho, V. M., & Silva, G. R. A. (2016). Indícios de vigorexia em homens adultos e jovens praticantes de musculação em academias de Goiânia. Revista Eeletrônica de Trabalhos Acadêmicos, 1(3), 148–166. http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=3GOIANIA4&page=article&op=viewFile&path%5B%5D=3515&path%5B%5D=2207

  • Santos, S. F. N. (2010). Distúrbio dismórfico corporal [Universidade de Coimbra]. https://eg.uc.pt/bitstream/10316/81277/1/Tese de Mestrado.pdf

  • Schmitt, S. (2013). A mídia e a ilusão do tão desejado "corpo perfeito." Psicologia.PT, 1–9. https://core.ac.uk/reader/185254420

  • Schwarzenegger, A. (2001). Enciclopédia de fisiculturismo e musculação.: Vol. 2a ed. (2 (ed.)). Artmed. file:///C:/Users/Marcelo/Downloads/BOOK COMPLETO Enciclopédia de Fisiculturismo - Arnold Schwarzenegger.pdf

  • Silva, A. C. A., & Barroso, B. L. M. (2020). Prescrição e utilização de suplementos alimentares por fisiculruristas no Brasil: uma revisão de literatura [Centro Universitário Fametro]. http://repositorio.unifametro.edu.br/bitstream/123456789/716/1/ARIELLE CRISTHIANE AGUILERA SILVA e BRUNO LEITE MARQUES BARROSO_TCC.pdf

  • Silva, A. C., & Ferreira, J. (2021). No pain , no gain ? Sentidos e significados atribuídos às dores e aos riscos entre malhar e treinar em academias de ginástica. 35(1), 1–13. https://doi.org/https://doi.org/10.11606/issn.1981-4690.v35i1p1-13

  • Silva, J. C. L. da, Toledo, A. C. V. de, & Lamy, M. (2021). Doping esportivo e consumo de suplementos alimentares: uma relação delicada. Cadernos Ibero-Americanos de Direito Sanitário, 9(4), 56–75. https://doi.org/10.17566/ciads.v9i4.703

  • Silveira, C. S. da, Melo, D. B. de, Tonhá, S. Q., & Correia, M. das G. da S. (2012). Avaliação dos conhecimentos de nutrição básica e esportiva de pofessores de educação física em uma academia de Aracajú-SE. Cadernos de Graduação-Ciências Biológicas e Da Saúde, 1(15), 65–74. https://core.ac.uk/download/pdf/276634453.pdf

  • Sismon, J. M., Figueiredo, S. H., Rocha, C. M., & Garcia, A. B. (2008). Compulsão e exercício físico : um problema para o Educador Físico e col gerador de saúde. São Paulo, 13(119), 1–7. https://www.efdeportes.com/efd119/compulsao-e-exercicio-fisico.htm

  • Vasconcellos, L., & Guedes, L. F. A. (2007). E-Surveys: vantagens e limitações dos questionários eletrônicos via internet no contexto da pesquisa científica. X SemeAd, 16. http://www.ead.fea.usp.br/Semead/10semead/sistema/resultado/trabalhosPDF/420.pdf

  • Weinberg, R. S., & Gould, D. (2017). Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício (6th ed.). Artmed. https://www.passeidireto.com/arquivo/52948265/psicologia-do-esporte

  • Zimmermann, F. (2013). Indícios de vigorexia em adultos jovens praticantes de musculação em academias de Biguaçu-SC [Universidade Federal de Santa Catarina]. https://core.ac.uk/reader/30384320

17
9
views
downloads
All versions This version
Views 1717
Downloads 99
Data volume 4.4 MB4.4 MB
Unique views 1414
Unique downloads 99

Share

Cite as