Journal article Open Access

TRANSIÇÃO AUTOMÁTICA NAS CLASSES INICIAIS DOS CICLOS DE APRENDIZAGEM DO ENSINO PRIMÁRIO EM ANGOLA: TEORIAS, PRÁTICAS E DESAFIOS

MANUEL AFONSO

O presente trabalho buscou compreender as razões que informam as discussões em torno da transição automática nas classes iniciais dos ciclos de aprendizagem (1ª, 3ª e 5ª) do Ensino Primário. A transição automática constituiu uma inovação no Sistema de Educação e Ensino, desde 2004. Foi introduzida no âmbito da segunda reforma educativa, valendo-se da abordagem construtivista que defende a avaliação ao serviço da aprendizagem, realizável, mediante diversificação de procedimentos metodológicos promotoras de práticas educativas inclusivas e contextualizadas. Outro factor não menos importante foi o surgimento de ciclos de aprendizagem no Ensino Primário alargado, até a 6ª classe. Porém, contrariamente à essa perspectiva teórica que objectiva a aprendizagem significativa, integral e inclusiva em sala de aula, a realidade empírica captada através de relatos, vivências, consulta documental e bibliográfica, aponta para práticas avaliativas predominantemente marginais ao processo de ensino-aprendizagem, com recurso aos testes. Com efeito, explorou-se analiticamente prováveis factores explicativos da dissonância entre a perspectiva teórica e as dinâmicas dos contextos educativos, em torno da avaliação, cujas conclusões preliminares apontam às questões de ordem técnica e metodológica como principais condicionantes da incorporação prática de tais procedimentos metodológicos que impactariam essa inovação, no processo de ensino-aprendizagem.

Files (1.2 MB)
Name Size
Artigo 3 Manuel Afonso.pdf
md5:3285d0057f86c4b29a44c355ff85d86a
1.2 MB Download
42
40
views
downloads
All versions This version
Views 4242
Downloads 4040
Data volume 49.8 MB49.8 MB
Unique views 3737
Unique downloads 3535

Share

Cite as